07 Erros “comuns” na execução da Sondagem com SPT – (ABNT NBR 6484)

ENG. PAULO M F VIANA

A norma Solo — Sondagem de Simples Reconhecimento com SPT — Método de ensaio NBR 6484 foi revisada em 28.10.2020 e destacou de modo mais preciso a execução, detalhamento e apresentação dos resultados. Entretanto, apesar dos avanços na normatização alguns erros ainda são “comuns” de serem observados na prática. Neste LTEC-NEWS serão destacados 07 erros que se pode encontrar na execução deste ensaio…

ERRO 1: Falta de certificação dos equipamentos

Geralmente as empresas não calibram os equipamentos, tanto em relação às dimensões quanto aos pesos utilizados.

Trépano e hastes (comprimento e rigidez)
Dimensões da cabeça e sapata do amostrador
Dimensões do corpo do amostrador
Dimensões/peso do martelo
Cabeça de bater

A falta de padronização interfere enormemente no resultado. Em pesquisa recente SILVA, R C M (2016) observou que 2/3 das empresas investigadas de sondagem da região de Goiânia-GO não possuem equipamentos calibrados.

ERRO 2: Metodologia de ensaio

Em relação a metodologia os principais itens que sofrem variação são:

Altura de queda do martelo;
Frequência de golpes;
Operação do trépano de lavagem;
Excentricidade do martelo;
Uso de circulação de água acima do NA.

Segundo Belincanta e Ferraz (2000) existem quatro tipos básicos de ensaio SPT operados no Brasil. A falta de padronização influencia na comparação interlaboratorial e na interpretação dos resultados.

ERRO 3: Avanço da perfuração feita pelo próprio amostrador

Quando do uso do avanço da perfuração com o próprio amostrador, se mostraram sistematicamente muito maiores, sendo em média 131,5% superiores àqueles obtidos quando da perfuração com trado até o lençol freático e circulação d’água abaixo do mesmo.

ERRO 4: Alterações nas codições do solo

Qualquer operação atípica na percussão irá alterar as condições do solo. Introduzir água no furo de sondagem para “amolecer o solo”, retornar avanços, reduzir a altura de queda irá “camuflar” os valores de:

Resistência;
Compacidade relativa ou consistência;
Permeabilidade;
Grau de saturação;
Sensibilidade (argilas);
Granulometria.

ERRO 5: Falta de avaliação na quantidade de energia transferida

A quantidade de energia transferida ao conjunto de hastes devida ao impacto do martelo durante o ensaio é de fundamental importância para verificar a eficiência do equipamento utilizado para a realização do ensaio. Conhecendo-se a eficiência é possível então comparar valores de N obtidos com diferentes equipamentos. Para tanto, deve-se verificar cada equipamento segundo a ABNT NBR 16796.

ERRO 6: Efetuar sondagens insuficientes para caracterizar o solo e sua estatigrafia

A NBR 8036 prescreve a quantidade mínima de Sondagens para cada tipo de obra em função da área projetada. Considerando a variabiliade espacial do terreno é de fundamental importância seguir a procedimento normativo de modo a caracterizar corretamente o maciço.

ERRO 7: Falta de contra-prova

O gráfico abaixo apresenta os resultados de 5 empresas na região de Goiânia – GO para uma mesma região amostrada. A contra-prova foi essencial para a tomada de decisão.

Para mais informações entre em contato:

Eng. Dr. Paulo M F Viana
CREA 66549/D
(62) 99619-7946
paulo@ltec.eng.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir